heeey apple :B

" (...) Por que no fundo eu sei que a realidade que eu sonhava afundou num copo de cachaça e virou utopia. "





sexta-feira, 28 de maio de 2010

quinta-feira, 27 de maio de 2010

Ela ordenou a sua mente que ficasse calma. Ela ordenou a seu coração, não bata de medo, não bata de desejo.



Luminosa manhã chegando e trazendo o anunciar de um novo dia. Pergunto o que esse terá de diferente e logo vem a lembrança, um tremor de pernas e palpitar de coração ... SIM ... hoje é o dia! Aquele momento tão esperado, sonhado e quase inalcançável, em que romperei os grilhões da falsa moral e os enterrarei junto com a tristeza transformando o passado em cinzas. Deixarei ecoar de mim toda alegria por viver, darei mil beijos no rosto que amo, confessarei desejos e paixões, respirarei perfumes da vida, beberei a felicidade na taça de um novo coração e então terei a certeza de que depois disso virá a sede por mais e mais felicidade num amanhã que sobreviverá ao caos.

♪ ' Mas seu eu pudesse ter de novo os meus sonhos, eu saberia onde posso encontrar a felicidade desse tamanho pra recomeçar outra vez, tudo outra vez.



Amanha talvez, longe em outro lugar, tudo vai passar quando eu disser adeus. Quem sabe a vida vai mostrar os sonhos que nós dois perdemos. Daqui pra frente vou mudar, viagens, riscos, outros planos. Guarde o melhor de mim, que no meu peito eu vou te guardar . Vai ser melhor assim, vai ser melhor pra mim. Um dia a gente vai se perdoar .







Eu só vou me curar quando eu disser adeus. '

( Ls Jack )

quarta-feira, 26 de maio de 2010

Depois de cada momento de fraqueza, meu coração prepara, em silêncio, uma nova fornada de coragem...



O amor é o ridículo da vida. A gente procura nele uma pureza impossível, uma pureza que está sempre se pondo. A vida veio e me levou com ela. Sorte é se abandonar e aceitar essa vaga ideia de paraíso que nos persegue, bonita e breve, como borboletas que só vivem 24h. Morrer não dói.

( Cazuza )

O por de nós.

Eu sei que está um pouco tarde pra te ligar e te dizer que ausento tanto a sua falta e que dessa vez, pelo menos dessa, eu não vou implorar para que fique.
'Há quatro anos' você foi embora, e eu consegui entrar sem a vontade enlouquecedora de acenar, até você virar a esquina e em outros braços e abraços se perder.
Só dessa vez, você não precisa saber do quanto eu anseio sentir o seu cheiro me embalando sobre fantasias medonhas. Só que hoje, o seu telefone não vai tocar, mesmo que eu esteja com os dedos trêmulos para discar o seu número, e ouvir sua voz, enquanto eu muda revivo. Essa noite, mesmo que meu travesseiro acorde inundado, pra você, eu vou ser sempre indiferente.
Você não precisa saber de nada, porque se ignorou quando eu disse que te amava, vai fazer o mesmo quando souber do completo vazio que minha vida está sendo sem você.
'Não me venha com exageros!', 'Me poupe das suas tempestades'.
Foi só porque pela primeira vez na vida, perdi o sono e a vontade de comer aquela torta deliciosa. Porque ontem eu perdi a vontade de ser alguém sozinha. Porque eu agi mesmo sem me importar com quem eu magoaria, afinal o amor é SIM egoísta, e só pensa em ti.
Por fim, não mande me apaixonar com pé no chão, porque amar, é se perder.

Mas agora não importa, você não está mais aqui.

( BáMoraes )

terça-feira, 25 de maio de 2010

Meu inferno me espera no meu repouso ...

(...) Quando o sol sossegava e começa a querer fugir do que causou, vinham então as estrelas, tão espertas. Propunham brilhar-se todas e entreter os dois, fazê-los amolecer com o frio da noite e dizer bobagens quaisquer para esquecer o que se passava. Não dava.
As estrelas deles vinham separadas, também. Por oceanos, terras, mares, rios, planetas, ventos, tudo. Era muito longe. Ele cá, ela lá. Doía de novo.
A noite propunha sacanagem e desgosto de estar só. Mas ao final só sobrava o segundo e a certeza de que era mesmo a maior sacanagem da história estarem sem poder se tocar, daquele jeito ...
Aí pensavam em largar tudo, em largar trabalho, escola, família. Em se largar em nome do outro. E desistiam. Doía.
Enquanto amanhecia, o outro adormecia e seguiram os dias com essa brincadeira de gato e rato que nunca se encontram. Ficavam assim então: sobrevivendo a cada dia e esmorecendo a cada noite. Lutando contra o medo do mundo e o medo deles mesmos, por estarem em mundos tão diferentes por hora, agora, pra sempre, quem sabe? Não sabiam.
Tentavam acreditar numa mudança, num descaso do destino que insistiu em manter-lhes assim, um descuido que deixasse um deles passar, fugido. Tentavam fugir da verdade e se encontrar um no outro, mas se perdiam. Estavam perdidos. Nos dias quentes, na noites longas, na espera fria. Só que doía.



( Rani Ghazzaoui )



'eu o perdi. e isso começou a doer onde eu achei estar cicatrizado. Não! Na verdade eu não achei isso, mas eu deixei passar, não foi? Agora sinto o tumulto do meu coração. ele grita comigo, ele de debate aqui dentro. ele não quer aceitar. ele vai se casar; ele se vai com ela.'

nobody can change me. ' ♪



Eu não falo da dor, eu falo da estranha sensação que é não sentir nada.

Faz de conta que não dói.

(...) A saudade mais dolorida é a saudade de quem se ama. Saudade da pele, do cheiro, dos beijos. Saudade da presença, e até da ausência consentida. Você podia ficar na sala e ele no quarto, sem se verem, mas sabiam-se lá. Você podia ir para o aeroporto e ele para o dentista, mas sabiam-se onde. Você podia até ficar o dia sem vê-lo, ele o dia sem vê-la, mas sabiam-se amanhã. Mas quando o amor de um acaba, ao outro sobra uma saudade que ninguém sabe como deter.
Saudade é não saber. Não saber mais se ele continua gripando no inverno. Não saber mais se ela continua clareando o cabelo. Não saber se ele ainda usa a camisa que você deu. Não saber se ela foi na consulta com o dermatologista como prometeu. Não saber se ele tem comido frango de padaria, se ela tem assistido as aulas de inglês, se ele aprendeu a entrar na internet, se ela aprendeu a estacionar entre dois carros, se ele continua fumando Carlton, se ela continua preferindo Pepsi, se ele continua sorrindo, se ela continua dançando, se ele continua pescando, se ela continua lhe amando.
Saudade é não saber. Não saber o que fazer com os dias que ficaram mais compridos, não saber como encontrar tarefas que lhe cessem o pensamento, não saber como frear as lágrimas diante de uma música, não saber como vencer a dor de um silêncio que nada preenche.
Saudade é não querer saber. Não querer saber se ele está com outra, se ela está feliz, se ele está mais magro, se ela está mais bela. Saudade é nunca mais querer saber de quem se ama, e ainda assim doer.

( Martha Medeiros )

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Eu quero você, mas eu não preciso de você.


(...) Eu nunca vou entender porque a gente continua voltando pra casa querendo ser de alguém, ainda que a gente esteja um do lado do outro. Eu nunca vou entender porque você é exatamente o que eu quero, eu sou exatamente o que você quer, mas as nossas exatidões não funcionam numa conta de mais. Mas aí, daqui uns dias você vai me ligar. Querendo tomar aquele café de sempre, querendo me esconder como sempre, querendo me amar só enquanto você pode vulgarizar esse amor. Me querendo no escuro. E eu vou topar. Não porque seja uma idiota, não me dê valor ou não tenha nada melhor pra fazer. Apenas porque você me lembra o mistério da vida. Simplesmente porque é assim que a gente faz com nossa própria existência: não entendemos nada, mas continuamos insistindo.

( Tati Bernardi )

domingo, 23 de maio de 2010

Meu Deus, mas como você me dói de vez em quando.

(...) Andei amando loucamente, como há muito tempo não acontecia. De repente a coisa começou a desacontecer. Bebi, chorei, ouvi Maria Bethânia, fumei demais, tive insônia e execesso de sono, falta de apetite e apetite em excesso, vaguei pelas madrugadas, escrevi poemas (juro) ! Agora está passando: um baind-aind no coração, um sorriso nos lábios - e tudo bem. Ou: que se há de fazer.

( Caio Fernando Abreu )

E eu não sei explicar. Acho que é uma questão de amor.

As cicatrizes fazem parte da minha história, me relembrando sempre, o fato de que aquilo que não me mata, só me fortalece.

sábado, 22 de maio de 2010

Quando o corpo pede com fome.

Ah, e dizer que isto vai acabar, que por si mesmo não pode durar. Não, ela não está se referindo ao fogo, refere-se ao que sente. O que sente nunca dura, o que sente sempre acaba, e pode nunca mais voltar. Encarniça-se então sobre o momento, come-lhe o fogo, e o fogo doce arde, arde, flameja. Então, ela que sabe que tudo vai acabar, pega a mão livre do homem, e ao prendê-la nas suas, ela doce arde, arde, flameja.

( Clarice Lispector )

Havia o medo e a timidez, todo um lado que você nunca viu.

Tantas vezes dormi vazia e me enchi de você por tantos respiros frenéticos, contidos num espaço de segundo, na etapa curta do sono em que os sonhos acontecem e nada é tão grande que consiga separar a minha boca da sua, a nossa verdade da frieza simétrica do mundo. Tantas outras eu dormi cheia de esperanças e acordei com azia da vida por ter me empanturrado de sonhos e por não terem inventado ainda sal de frutas contra realidade. Mas você continua em mim. Eu posso desligar o computador, posso quebrar a televisão, nunca mais ler jornal, fechar os olhos, apertar os punhos, tapar os ouvidos, encher minha boca de tantas outras palavras, de tantos outros cantos que não falem de você. Mas não, nada adianta. Não te cantar não significa não te escrever nas minhas entrelinhas, tapar os ouvidos não significa não te ecoar o tempo todo dentro de mim, no escuro do que é ser eu. Murros ao vento não impedem a dor, olhos fechados também conseguem chorar sua ausência. Jornal, internet, televisão, fax, rádio, código Morse, sinal de fumaça ... como se a nossa sintonia dependesse mesmo disso. É como naquele clipe do Foo Foghters: ' todas as certezas da minha vida bem na minha frente, depois da parede de vidro '. Incontável o quanto eu prometi a mim mesma não te sofrer, não te lutar, não te falar à quatro ventos pra não te gastar em palavras. Mas você continua latente bem na minha frente, todos  os dias, todos os minutos, em cada suspiro de alegria, tristeza ou vazio que saia de mim. Todas as manifestações de vida, na minha, são você. Eu que não sei de tantas coisas, continuo crente no que, pros outros, parece incerto. Eu que sempre fui tão imediata e fugaz, sento agora no cantinho mais confortável de mim, sem aquele desespero do começo, pra esperar você. Eu sei que você vem.

( Rani Ghazzaoui )

♪ ' and baby, you're my disease...

" (...) And all of a sudden you wnt and left, I didn't know to follow.
 It's like a shot that spun me around and now my heart's dead.
I feel so empty and hollow.
And I'll never give myself to another the way I gave it to you. (...)"

( Rihanna )

" Maybe I need some rehab, or maybe just need some sleep.
(...) Your love is my drug. "

( Kesha )

sexta-feira, 21 de maio de 2010

Sentir alimenta, sentir ensina, sentir aquieta.


Frágil - você tem tanta vontade de chorar, tanta vontade de ir embora. Para que o protejam, para que sintam falta. Tanta vontade de viajar para bem longe, romper todos os laços, sem deixar endereço. Um dia mandará um cartão postal de algum lugar improvável. Bali, Madagascar, Sumatra. Escreverá: penso em você. Deve ser bonito, mesmo melancólico, alguém que se foi pensar em você num lugar improvável como esses. Você se comove com o que não acontece, você sente frio e medo. Parado atrás da vidraça, olhando a chuva que, aos poucos começa a passar.
( Caio Fernando Abreu )

E mesmo assim, sem esse coração, eu acho que vou continuar te amando. ' ♪


(...) Até hoje. Até essa manha. Em que você, pela primeira vez, foi embora sem sentir nenhuma pena nisso. Foi a primeira vez, em todos esses anos, que você simplesmente foi embora. Como se eu fosse só mais uma coisa da sua vida cheia de coisas que não são ela. E que você usa pra não sentir dor ou saudade. Foi a primeira vez que você deixou eu te olhar, mesmo você não gostando de mim. E foi por isso, por que você deixou de ser o menino que me amava e passou a ser só mais um que me usa, que você, assim como todos os outros, mereceu um texto meu.
( Tati Bernardi )
A vida passa cheia de coisas na nossa frente e a gente cresce achando que a felicidade é um plano longínquo e futurista, quando na verdade a graça de toda a história é a felicidade ser fugaz.
( Rani Ghazzaoui )

quarta-feira, 19 de maio de 2010



Foco no lugar vazio da mesa. A pessoa que não veio. Pior ainda: a que não existe. É ali que fico, sempre, apaixonada, doendo, esperando. O lugar vazio da mesa, da cama, do planeta. Minha sorte é um bilhete desses de raspar só que o segredo não sai com nada. Meu amor é a cadeira com pé quebrado que tiraram do salão antes que alguém se machucasse. Então me recuso a sentar em outras e vivo entre o cansaço e o medo de cair de mim mesma. Eu funciono assim, não sei se você já percebeu. Consigo não te amar, e isso significa passar ótimos dias em paz, quando te trato bem, quando te amo. O que sobra em mim, o que eu guardo no peito, é sempre o negativo do que expeli para o mundo. Por isso o e-mail, carinhoso, um jeito de te expulsar mais uma vez, porque é isso que sei fazer quando o assunto é sentir além de mim. E quando te trato mal, são dias te amando aqui, nos espaços vazios que você jamais preencheria e que são absolutamente você. O mundo todo que não tem você é ainda mais você. E assim me relaciono. Com o risco de giz branco em torno do corpo que já foi levado ao chão. Sempre me apaixono depois que acaba a paixão. Sempre namoro quando acaba o namoro. Só assim sei amar. E então te carrego no peito e em tudo, ao ir sozinha ou mal acompanhada ao cinema. E então janto com você e como bem e até bebo. E passamos sem perceber uma vida inteira. Só porque agora você se foi, é que sinto que você chegou de verdade. E assim namoramos tão bem e sou tão agradável. E é com você que eu vou até a esquina e o fim do mundo, porque posso tudo agora. Agora que não posso nada.
( Tati Bernardi )

Natural alívio






Suspiro Fundo!

Eu prefiro ser a metade de nós ... o mínimo de você, o melhor de mim.


You're bruised and beaten down, and i'm the one who's lookin for a favor, still honestly you won't believe me; but the things i have are the things you need.'
( Someone to fall back on )

Repito sempre: sossega, sossega, o amor não é pro teu bico.

Lembrei que tinha lido em algum lugar que a dor é a única emoção que não usa máscara. Não tinhamos dor, mas aquela coisa daquela hora que a gente tava sentindo, eu nem sei se era alegria, também não usava máscara. Então pensei devagar que era proibido ou perigoso não usar máscara.
"Foi quando eu senti, mais uma vez, que amar não tem remédio."

( Caio Fernando Abreu )




terça-feira, 18 de maio de 2010

"Tenho que ter paciência para não me perder dentro de mim: vivo me perdendo de vista..."


Reinvento-me sempre que a vida pede um pouco mais de mim.
Sou complexa, sou mistura, sou mulher com cara de menina ... e vice-versa. Me perco, me procuro e me acho. E quando necessário, enlouqueço e deixo rolar ...
Não me doo pela metade, não sou tua meio amiga, nem teu quase amor. Ou sou tudo ou não sou nada. Não suporto meio termos. Sou boba, mas não sou burra. Ingênua, mas não santa. Sou pessoa de riso fácil ... e choro também.

( Tati Bernardi )